Quem com ferro fere com ferro será ferido

Apenas para lembrarmos o que ocorreu no processo de impedimento da Dilma Rousseff. No fim de 2015 o vice- presidente Michel Temer ao perceber uma oportunidade única (nunca foi eleito em uma eleição majoritária e chegou à vice-presidência graças ao prestígio na época do ex-presidente Lula) de ser presidente do Brasil passou de aliado da presidenta a seu inimigo. Começou a criar os motivos para essa ruptura a partir de uma carta enviada para a presidenta em 07 de Dezembro de 2015 onde reclamava da desconfiança que o governo tinha dele e do PMDB e da pouca importância dada a ele desde seu primeiro governo. Leia a integra dessa carta clicando aqui. Nesse tempo, apesar de dizer que era contra o impeachment, já conspirava com a oposição até que assumiu publicamente seu apoio e do PMDB ao impeachment da Dilma. Prometia na época que não disputaria uma reeleição para agradar os Tucanos. E a história se repete… Agora quem vê a possibilidade de se tornar presidente é o deputado Rodrigo Maia primeiro da linha sucessória da presidência. Até hoje jura fidelidade ao presidente Michel Temer, mas já dá sinais que a ideia de se tornar presidente lhe agrada. Já causa desconfiança no governo. Da mesma forma como fizeram para aliciar o vice-presidente Michel Temer lá atrás, parte da oposição começa se articular para apoiar o deputado Rodrigo Maia. Além da oposição parte do PSDB, aliado do governo até agora, também se articula nesse sentido. Só que na história atual existem outros interesses que vem de futuros candidatos à presidência da república em 2018. Para esses o melhor seria a permanência de Temer, e tem motivos para isso. Temer sendo mantido na presidência com todas essas denúncias não será candidato em 2018. Ao contrário Rodrigo Maia, jovem ainda, fazendo um belo trabalho na presidência interina, apoiando as reformas, mas amenizando as medidas impopulares poderia se tornar um forte candidato a presidência em 2018. Tem contra ele uma pequena denúncia de corrupção. A maioria dos brasileiros está sem opção para escolher um candidato, e um bom fim de governo lhe daria uma chance real de se tornar presidente da República. Alguns políticos em certos momentos me lembra daquela cobra da Bíblia que induziu Eva a comer da árvore proibida. Essa cobra convenceu Temer a trair Dilma e agora tenta convencer Rodrigo Maia a trair Temer.